Breves explicações sobre a mediunidade


Médium é toda pessoa que sente, em um grau qualquer, a influência dos Espíritos. Mediunidade é a condição de médium.

Essa faculdade é inerente ao homem e por consequência não é privilégio exclusivo; também são poucos nos quais não se encontrem alguns rudimentos dessa faculdade.

Pode-se dizer, pois, que todo ser humano é, mais ou menos, médium. Todavia, usualmente, esta qualificação não se aplica senão àqueles nos quais a faculdade medianímica está nitidamente caracterizada, e se traduz por efeitos patentes de uma certa intensidade, o que depende, pois, de um organismo mais ou menos sensível.

De outra parte, devese anotar que esta faculdade não se revela em todos do mesmo modo.

Os médiuns têm, geralmente, uma aptidão para tal ou tal ordem de fenômenos, o que lhes resulta tantas variedades quantas sejam as espécies de manifestações.

As principais espécies são: 1) Médiuns de efeitos físicos; 2) Médiuns sensitivos ou impressionáveis; 3) Médiuns audientes; 4) Médiuns falantes; 5) Médiuns videntes; 6) Médiuns sonâmbulos; 7) Médiuns curadores; 8) Médiuns psicógrafos (escreventes).

Lembremos, no entanto, que a mediunidade deve ser desenvolvida e nesse processo o médium haverá sempre de se esforçar muito por sua própria instrução doutrinária (leitura, cursos específicos, etc.) e por sua reforma íntima.

Fonte: Kardec (Livro dos Médiuns)

Autoria: 
Durval A. Rezende Filho