Ensinamentos do Irmão Karl


Momento da verdade ser dita. Irmão Karl nos orienta sobre aquelas situações, muito frequentes, em que criaturas bondosas vão suportando em atitude de ferido silêncio, resignado e compreensivo, comportamentos inadequados de entes amados que vão esmagando o coração dia após dia, gerando inquietação e tristeza e que, a exemplo de cálices amargos sucessivamente tomados, vão minando progressivamente a saúde das criaturas.

Recomenda-nos ele que temos o dever de apontar os erros desses comportamentos injustos, isto é, temos de enfrentar esse momento da verdade, envolvendo-nos numa atmosfera de grande serenidade e paz que suplicamos ao Alto, porque esse apontamento é indispensável para que o infrator tenha a chance de tomar consciência e refletir sobre seus atos e suas consequências.

Uma vez isto feito, imediata e subsequentemente numa atitude fraterna, sem alimentar rancores, ressentimentos, sem "cara feia". Com isto, alivia-se a tensão emocional, e freia-se o avanço dos impactos negativos na saúde, entregando-se doravante à escola da vida, à misericórdia divina, que a ninguém abandona, e ao livre arbítrio do infrator o destino que ele decidir escolher com o seu inescapável resultado.

Ensinamento sobre a dor. Esclarece-nos o Irmão Karl que o espiritismo, como alguns possam imaginar ou querem fazer acreditar, não exalta, nem enaltece e, muito menos, entroniza a dor como programa obrigatório de sofrimento que se deve abraçar permanentemente na vida encarnada. O Espiritismo faz, sim, com absoluta clareza, compreender a dor e suas causas, esclarecendo o seu papel de promotora das transformações humanas para aquelas criaturas que não querem aprender a se transformar pela prática espontânea do amor incondicional "que apaga a multidão dos pecados".

Autoria: 
Raphael Rios