Jovens conhecem trabalhos assistenciais em MG


Nestes últimos quatro dias de Carnaval, tivemos a grata oportunidade de conhecer pessoas e trabalhos voltados ao amor e à caridade.

Nossa primeira parada foi a cidade de Uberaba onde visitamos o trabalho de D. Aparecida, que coordena um grupo de amparo a pessoas vitimadas pelo fogo selvagem, além de abrigar crianças carentes, oferecendo-lhes hospedagem, alimentação e, até mesmo, suporte financeiro para os estudos. O que mais nos impressionou neste trabalho foi a dedicação e o desprendimento de uma senhora de idade tão avançada, mas que continua, incansavelmente, conduzindo uma obra de tão grande vulto.

Neste mesmo dia realizamos a tão esperada visita ao Centro de Chico Xavier, onde pudemos usufruir sua companhia, desde a sua chegada até o encerramento dos trabalhos, ouvindo a prece, a leitura do tema e a mensagem por ele psicografada. Ao final, todos nós fomos por ele recebidos, um a um, com surpreendente carinho e atenção, a despeito de seu preocupante estado de saúde. Vale ressaltar que, muito embora os trabalhos lá realizados sejam impressionantemente lindos, não pudemos deixar de perceber a variedade de objetivos que levam as pessoas a conhecer Chico Xavier. Muitos até lá se dirigem motivados apenas por curiosidade, desconhecendo inteiramente a necessidade de concentração e respeito para a formação de um ambiente calmo e equilibrado, propício à consecução de um trabalho desta natureza. No afã de se aproximarem ao máximo do Chico, as pessoas se atropelavam, gritavam e forçavam as portas, ignorando completamente o que se passava no interior do salão. Faltava a essas pessoas, segundo o nosso ponto de vista, um pouco mais de orientação quanto a natureza das atividades espíritas, a importância sublime do equilíbrio do ambiente e, acima de tudo, a necessidade de respeito, compreensão, e paciência, indispensáveis em todos os momentos de nossa vida.

Na manhã seguinte, dirigimonos à cidade de Sacramento, onde conhecemos o Cantinho da Prece, dirigido por D. Heigorina Cunha, sobrinha de Eurípedes Barsanulfo que foi um dos maiores expoentes da Doutrina Espírita no Brasil e, especialmente, nessa região de Minas Gerais. D. Heigorina conduz o trabalho deixado por seu tio, dirigido a carentes e, em particular, a crianças, que recebem, além do auxílio assistencial, ensino na escola que foi fundada pelo próprio Eurípedes. Nós fomos por ela recebidos no salão do Centro, onde assistimos a uma linda palestra e a apresentação do Coral local que cantou uma série de músicas com temas espíritas.

Na segunda-feira, fomos imensamente presenteados com a visita à Casa do Caminho do Irmão Tadeu. Palavras quaisquer seriam usadas sem sucesso para descrever a beleza e o encantamento deste lugar. Sentíamo-nos como se estivéssemos adentrando a Colônia Espiritual "Nosso Lar", tal qual descrita por André Luiz. Todos na Casa, desde o Irmão Tadeu até os próprios doentes transbordam alegria e amor. Até mesmo as flores dos imensos jardins pareciam ter luz própria. Após a acolhida do Irmão Tadeu, a visita aos leitos, às oficinas de arte e de costura onde os idosos e doentes trabalham, à cozinha e lavanderia dignas de primeiro mundo em organização e limpeza, fomos, ao final da tarde, ao salão onde são feitas as reuniões e trabalhos espirituais. O que mais nos impressionou neste lugar, foi a paz, a harmonia e, acima de tudo, o respeito de todos, pois, muito embora o salão tivesse capacidade para abrigar 600 pessoas sentadas e houvesse muitos outros também em pé, o silêncio reinava. E nesse clima os trabalhos se iniciaram, e novamente, faltam-nos palavras para descrevê-los. A sensação que tínhamos, durante as palavras do Irmão Tadeu e os cantos do Coral, era de que estávamos nos desligando por instantes do plano material e compartilhando com os amigos maiores a beleza e a inexprimível maravilha do Plano Espiritual. Após este fascinante trabalho, o Irmão Tadeu recebeu cerca de 150 pessoas que passaram por consulta médica e pelo passe apropriado ao caso, recebendo posteriormente o medicamento natural necessário. Ainda por fim, apesar do desgaste do longo dia, o Irmão Tadeu ainda se despediu de todos nós, um a um, com incomparável carinho e atenção.

E assim, a nossa viagem se encerrou na terça-feira pela manhã com o retorno à São Paulo. Mas, o que guardamos dela foi o enorme exemplo de amor, caridade e dedicação ao próximo que nos foi passado por todos os abnegados tarefeiros na Seara de Jesus que visitamos. Houve uma série de coisas boas, muitas emoções lindas e indescritíveis e, por que não dizer, momentos em que questionamos em nós mesmos as nossas atitudes, o nosso comportamento e a nossa postura em relação aos outros. Tudo isso compôs um grande aprendizado que não podemos mensurar com palavras. Cabe a nós, agora, procurar colocar em prática um pouquinho daquilo que vimos em Minas. Constatamos que para se iniciarem trabalhos tão lindos e tão importantes como estes, as únicas coisas de que necessitamos são muita força de vontade e, principalmente, muito amor no coração. E esperamos que um dia, todos nós possamos não mais precisar ir a Minas ou a outro lugar para conhecer trabalhos dessa natureza, pois que eles serão, então, a realidade universal, a realidade do amor maior posto em prática indistintamente.

Autoria: 
Aurea Camargo Ribeiro